Idosos assistem palestra sobre empreendedorismo no CASS

O empreendedorismo como complemento de renda foi o tema da palestra proferida hoje pelo analista técnico do Sebrae, Nilton Leôncio da Silva, a quase 100 idosos vinculados ao programa “Agente Experiente”, da Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos (SMASDH). O encontro teve como propósito mostrar que empreender muitas vezes é bem mais fácil do que se imagina.

As atividades que muitos idosos desempenham como passatempo podem ser encaradas como uma geração de renda. “A nossa parceria com o Sebrae tem apresentado resultados bastante satisfatórios. Muitas vezes não estamos atentos para o fato de que alguma atividade, alguma habilidade que temos pode render alguma coisa. Portanto, esse encontro chama a atenção de vocês, justamente para a possibilidade de se ganhar alguma coisa com essa produção que muitas vezes é um simples hobby” — disse aos presentes o secretário da SMASDH, João Mendes de Jesus.

Para Ana de Lima Soares, moradora da Rocinha, 77 anos e artesã desde os dez anos, a produção de várias peças em macramê, tricô, crochê e customização de sandálias sempre rendeu a ela uma complementação de renda. “Agora estou trabalhando muito com a customização de sandálias e vendo por onde passo” — informa Ana, que, além do artesanato, dá aulas em vários lugares sobre suas habilidades. Ao saber do tema da palestra, a artesã trouxe uma das sandálias preparada por ela para mostrar no encontro.

O empreendedorismo, disse Nilton Leôncio à plateia, é uma forma de acabar com uma necessidade. “Muitas vezes pensamos que empreender depois de uma certa idade é algo difícil e quase inatingível. Mas empreender começa bem cedo, começa na mais tenra idade, quando sentimos forme pela primeira vez e nossa mãe nos amamenta e daí por diante empreendemos até o fim da vida” — conclui.